Crescimento desorganizado afeta paraíso de Darwin

Em Galápagos, espécies observadas por cientistas correm perigo.Introdução de espécies como ratos e gado ameaça os animais nativos.

Os montes de lixo malcheirosos na fronteira desse frágil arquipélago, a 965 km da costa Pacífica do Equador, cuja vida selvagem única inspirou a teoria da evolução de Darwin, são uma prova viva de que uma espécie está prosperando: o homem.
Pequenos pintassilgos cinza, descendentes dos pássaros que foram cruciais para a sua teoria, sobrevoam o aterro, que serve a uma cidade em desenvolvimento de equatorianos que se mudaram para a ilha para trabalhar na indústria do turismo local, cada vez maior.
O crescimento da população nas Galápagos, que duplicou para cerca de 30 mil na última década, tem deixado os ambientalistas horrorizados. Eles apontam evidências de que o desenvolvimento já está prejudicando o ecossistema, que fez com que os habitantes mais famosos da ilha – entre eles tartarugas gigantes e atobás de pés coloridos – evoluíssem em isolamento, antes da colonização das ilhas, há mais de um século.

O crescimento já está ameaçando tanto o meio ambiente que até mesmo o governo, que ainda estimula o crescimento do turismo, começou a tomar decisões políticas não-populares, como expulsar centenas de equatorianos pobres da província, da qual eles se consideram legalmente proprietários.

Restringindo a população, os oficiais esperam preservar as maravilhas naturais que sustentam um dos setores mais lucrativos do Equador: o turismo.

Porém, as novas medidas também estão gerando um protesto por parte dos migrantes, que afirmam sentirem-se castigados, enquanto o país continua a desfrutar de dezenas de milhões de dólares trazidos pelos turistas ao Equador, uma das nações mais pobres da América do Sul.

“Estão dizendo que uma tartaruga para um estrangeiro rico fotografar vale mais do que um cidadão equatoriano”, disse Maria Mariana de Reina Bustos, 54 anos, que veio de Ambato no Vale Andino central do Equador. Sua filha, Olga, de 22 anos, foi recentemente detida pela polícia perto da favela de La Cascada, e deportada para o continente.

Fonte: Portal G1

Flórida ameaçada por proliferação de cobras gigantes bigsnakes in florida eua

Uma “invasão” de cobras de grandes dimensões está pondo em risco a fauna em alguns locais dos EUA, relata um estudo realizado pelo instituto geológico americano US Geological Survey (USGS).

De acordo com o relatório divulgado esta semana pelo instituto, algumas regiões como o Sul da Florida estão sendo invadidas por dezenas de milhares de espécimes de cobras piton não nativas que são uma séria ameaça à fauna americana.

Um total de nove espécies de cobras potencialmente assassinas estão constituindo uma ameaça à fauna nativa, alerta o documento de 300 páginas.

Os pássaros, mamíferos e répteis dos Everglades (região pantanosa da Flórida) nunca antes tiveram que enfrentar predadores tão grandes.

«Estas cobras amadurecem cedo, produzem grandes quantidades de crias, viajam longas distâncias e têm dietas variadas e amplas que fazem com que possam comer a maior parte dos pássaros e mamíferos nativos», apontou o cientista Gordon Rodda, da USGS.

Trata-se de cobras que podem chegar a medir seis metros de comprimento, pesando até 90 quilos.